segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

A CONVERSÃO DE SÃO PAULO


Autorizado, buscava identificar cristãos, prendê-los, enfim, acabar com o Cristianismo.
O apóstolo dos gentios e das nações nasceu em Tarso. Da tribo de Benjamim, era judeu de nação. Tarso era mais do que uma colônia de Roma, era um município. Logo, ele recebeu também o título de cidadão romano. O seu pai pertencia à seita dos fariseus. Foi neste ambiente, em meio a tantos títulos e adversidades, que ele foi crescendo e buscando a Palavra de Deus.
Combatente dos vícios, foi um homem fiel a Deus. Paulo de Tarso foi estudar na escola de Gamaliel, em Jerusalém, para aprofundar-se no conhecimento da lei, buscando colocá-la em prática. Nessa época, conheceu o Cristianismo, que era tido como um seita na época. Tornou-se, então, um grande inimigo dessa religião e dos seguidores desta. Tanto que a Palavra de Deus testemunha que, na morte de Santo Estevão, primeiro mártir da Igreja, ele fez questão de segurar as capas daqueles que o [Santo Estevão] apedrejam, como uma atitude de aprovação. Autorizado, buscava identificar cristãos, prendê-los, enfim, acabar com o Cristianismo. O intrigante é que ele pensava estar agradando a Deus. Ele fazia seu trabalho por zelo, mas de maneira violenta, sem discernimento. Era um fariseu que buscava a verdade, mas fechado à Verdade Encarnada. Mas Nosso Senhor veio para salvar todos.
Encontramos, no capítulo 9 dos Atos dos Apóstolos, o testemunho: “Enquanto isso, Saulo só respirava ameaças e morte contra os discípulos do Senhor. Apresentou-se ao príncipe dos sacerdotes e pediu-lhes cartas para as sinagogas de Damasco, com o fim de levar presos, a Jerusalém, todos os homens e mulheres que seguissem essa doutrina. Durante a viagem, estando já em Damasco, subitamente o cercou uma luz resplandecente vinda do céu. Caindo por terra, ouviu uma voz que lhe dizia: ‘Saulo, Saulo, por que me persegues?’. Saulo então diz: ‘Quem és, Senhor?’. Respondeu Ele: ‘Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Duro te é recalcitrar contra o aguilhão’. Trêmulo e atônito, disse Saulo: ‘Senhor, que queres que eu faça?’ respondeu-lhe o Senhor: ‘Levanta-te, entra na cidade, aí te será dito o que deves fazer'”.
O interessante é que o batismo de Saulo é apresentado por Ananias, um cristão comum, mas dócil ao Espírito Santo.
Hoje estamos comemorando o testemunho de conversão de São Paulo. Sua primeira pregação foi feita em Damasco. Muitos não acreditaram em sua mudança, mas ele perseverou e se abriu à vontade de Deus, por isso se tornou um grande apóstolo da Igreja, modelo de todos os cristãos.

Fonte: http://santo.cancaonova.com/santo/conversao-de-sao-paulo-o-apostolo-dos-gentios/

A conversão de São Paulo

A festa de São Paulo Apóstolo, principal personagem do livro dos Atos dos Apóstolos e autor da maioria das cartas do Novo testamento, é celebrada em junho, junto com a festa de São Pedro. Mas, o evento da sua conversão, narrado no livro dos Atos dos Apóstolos três vezes (At 9, 1-9 / 22, 2-11 / 26, 4-18), em que ele passa de perseguidor a anunciador de Cristo, é celebrado hoje, 25 de janeiro.


Acompanhemos a primeira leitura da liturgia de hoje, em que Paulo narra esse importante momento de sua vida:



"Eu sou judeu. Nasci em Tarso da Cilícia, mas fui educado nesta cidade, formado na escola de Gamaliel, seguindo a linha mais escrupulosa dos nossos antepassados, cheio de zelo por Deus, como todos vocês o são agora. Persegui mortalmente este caminho, prendendo e lançando à prisão homens e mulheres, como o sumo sacerdote e todos os anciãos podem testemunhar. Eles até me deram carta de recomendação para os irmãos de Damasco, e para lá me dirigi, a fim de trazer algemados os que lá estivessem, a fim de serem punidos aqui em Jerusalém. No entanto, aconteceu que na viagem, estando já perto de Damasco, aí pelo meio-dia, de repente uma grande luz que vonha do céu brilhou ao redor de mim. Então caí por terra e ouvi uma voz que me dizia: 'Saulo, Saulo, por que você me persegue?' Eu perguntei: 'Quem és tu, Senhor?' Ele me respondeu: ‘Eu sou Jesus, o Nazareu, a quem você está perseguindo!' Meus companheiros viram a luz, mas não ouviram a voz que me falava. Então perguntei: 'Senhor, o que devo fazer?' E o Senhor me respondeu: 'Levanta-te e vá para Damasco. Aí vão explicar tudo o que Deus quer que você faça. Como eu não podia enxergar por causa do brilho daquela luz, cheguei a Damasco guiado pela mão dos meus companheiros. Havia na cidade certo Ananias, homem piedoso e fiel à Lei, com boa reputação junto a todos os judeus que aí moravam. Ele veio ao meu encontro e me disse: ' Saulo, meu irmão, recupere a vista!' No mesmo instante recuperei a vista e pude vê-lo. Então ele me disse: ‘O Deus dos nossos antepassados o destinou a conhecer a sua vontade, a ver o Justo e a ouvir a sua própria voz. Porque você vai ser a sua testemunha de todas as coisas que viu e ouviu, diante de todos os homens. Agora, não perca tempo: levante-se, receba o batismo e lave os seus pecados, invocando o nome Dele.'"  (At 22, 3-16)


Para nós, Irmãs Paulinas, que temos o nome: Filhas de São Paulo, essa festa é de grande importância. Pois, Paulo é, para nós, pai, protetor e inspirador no jeito de viver e comunicar Jesus Cristo. Temos uma missão: ser Paulo vivo hoje. Assim como Pe. Alberione o compreendeu:

"Se São Paulo vivesse hoje, continuaria a inflamar-se com aquela dupla chama de um mesmo incêndio: o zelo por Deus e pelo seu Cristo, e pelas pessoas de todas as nações. E para ser mais ouvido falaria dos púlpitos mais altos e multiplicaria sua palavra com os meios do progresso atual: imprensa, cinema, rádio, televisão." 


São Paulo Apóstolos, rogai por nós!

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

A jornada

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

O silêncio de Maria


Esta é uma oração que enfoca a pessoa de Maria como a mulher do silêncio e da escuta da vontade de Deus. Este vídeo foi preparado pelas Irmãs Paulinas.
Conheça também o Blog Paulinas: http://blogpaulinas.blogspot.com/

domingo, 10 de janeiro de 2016

"Sete passos para o Discernimento"

1) ORAÇÃO

"Senhor, que queres que eu faça?" (Atos 22,10)

A vocação não é algo que você inventa, mas uma realidade que você é. Não é um projeto que você tem para sua vida, mas é a missão que vem de amizade que Jesus oferece a você e convida-o a realizar.

Esta não é primariamente uma decisão que você tomar sozinho, mas de uma chamada que requer uma resposta.
Se você quiser encontrar o seu diálogo "vocação" com o Senhor. Somente por meio da oração pode conhecer o que Deus quer de você,sua vontade. Na oração ao Espírito Santo vai refinar seu ouvido para que você possa ouvir. No diálogo de amizade com Jesus, você vai ouvir a sua voz chamando-o: "Vem e segue-me" (Lc 18, 22); ou suas palavras serão "de volta para sua casa e dizer tudo o que Deus fez por você" (Lc 8,39).


2) PERCEPÇÃO


Para descobrir o que Deus quer, você tem que ouvir, observar e fazer a experiência. Por esta razão, você precisa crescer no "silêncio interior"; para perceber e reconhecer a voz do Senhor.Cuidado com o que se move dentro de você: seus desejos, seus medos, seus pensamentos, suas fantasias, seus anseios, seus planos. Ouça, da mesma forma aqueles que seguem sua preocupação, quanto aqueles que vão em outras direções. Ouça seu coração: o que é que você quer? Aprenda a observar as pessoas ao seu redor: o que Jesus está dizendo a você pela sua pobreza, sua ignorância, sua dor, seus desesperos, a necessidade de Deus ...?Olhe para a sua história pessoal: Quais foram os momentos mais importantes de sua vida,  que Deus estava presente ou ausente nestes eventos, o que é realmente importante para você? Por quê? Contemple o futuro: o que você sente quando você pensa da possibilidade de consagrar sua vida a Deus? Você só tem uma vida: para quê e para quem você deseja dedicá-la?Tenha cuidado para discernir, é importante perceber se o que a atrai são sinais de uma chamada real para uma consagração ou são estímulos de Deus, para você intensificar a sua vida cristã como um(a)  leigo(a).
Vivendo
 esta etapa, você dirá, "talvez Deus está me chamando..." "Eu sinto a inquietação de consagrar minha vida a Deus."




3) INFORMAÇÃO

Os caminhos através dos quais podemos perceber a vocação de consagração são variadas e numerosas. Não é o suficiente para querer dar a minha vida ao Senhor e quero dedicar a ajudar os outros. Você tem que saber onde Deus quer que você, para segui-lo e servi-lo. Descubra o que é espiritualidade, como vivem os sacerdotes diocesanos ou de diferentes congregações religiosas; sinta o que o atrai mais do que tudo. Olhaecomo eles vivem: uma congregação de vida contemplativa não é igual a um de vida apostólica.

Mantenha-se informado sobre o que sua missão específica e quais são os meios, os apostolados, que são utilizados para alcançá-lo: hospitais de ensino, a direção espiritual, pastoral vocacional, missões, comunicação, pregando retiros espirituais, mídia, etc.
Tomando esta etapa, vai dizer: "Eu sou atraído para a espiritualidade, estilo de vida e ministério desta congregação ou realidade religiosa desta." "Talvez Deus está me chamando para entrar no noviciado ou em um seminário.




4) REFLEXÃO

Vocação é um negócio muito grande, e é para a vida! Por esta razão, você não pode lançar-se nesta aventura sem primeiro pensar seriamente sobre você, e a nova vida que você quer abraçar. Descubra suas habilidades e suas limitações. Pense se você pode viver as exigências que implica uma vocação, sabendo que podem sempre contar com a ajuda segura da graça de Deus.
Em que sinais concretos você que Deus está te chamando? Que razões você tem para ele, ou não, para realizar ou não este caminho? O que é que o(a) atrai?
Deus lhe pede para se comprometer, de forma responsável, no discernimento da Sua vontade. Ele quer que você use sua inteligência para entender o  projeto dele para sua vida. Com a luz do Espírito Santo, você vai descobrir o que Deus quer de você. Não pense que você vai ter a certeza absoluta do que Deus quer de você, você nunca vai receber qualquer coisa como um contrato assinado por ele em que revela a sua vontade. O que você vai encontrar são sinais que indicam que poderia ser o projeto da amizade entre você e ele.
Decifrar esses "sinais" faz com que você tenha a certeza, aos poucos, de Seu chamado.

Tomando esta etapa vai dizer: "Eu creio que Jesus está me chamando." "Acredito que, com a ajuda do Espírito Santo, eu possa responder."



5) DECISÃO
"Enquanto desciam pela rua, ele lhe disse:" Eu te seguirei aonde quer que vá" (Lc 9, 57).

Tendo descoberto o que Deus quer de você, busque responde-lo e segui-lo com generosidade. Tomar a decisão é difícil. Você vai temer. Seus limites vão parecer montanhas: "Ah, Senhor Deus, eu não como falar sei, eu sou muito jovem" (Jr 1, 6)
.
Mesmo assim, apesar de suas limitações, ou melhor, junto com elas, é preciso responder como Isaías: "Eis-me aqui, envia-me!" (Is 6, 8). Diga "sim". Peça ao Espírito Santo para dar-lhe essa capacidade de responder.
Para começar a jornada de vocação não espere ter a absoluta certeza de que Deus está chamando você, não espere ter um "contrato famoso assinado". A decisão é um passo na fé, um ato de confiança em seu amigo Jesus. Para fazer isso é normal que você tenha dúvidas, medos. Perguntar-se: Eu posso suportar todas as necessidades da vocação? Vou chegar ao destino final? Mas uma coisa que você não pode duvidar, no entanto, é do que você quer.
Tomando esta etapa vai dizer: "Quero consagrar minha vida a Deus no serviço aos meus irmãos e irmãs." "Eu quero entrar nesta congregação religiosa." "Eu quero ser padre"...


6) AGIR

Tome uma atitude!
"Indo mais longe, viu outros dois irmãos, Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão, num barco com seu pai Zebedeu, consertando as redes; e ele os chamou. Imediatamente eles deixaram o barco e seu pai e seguiu-o" (Mt 4,
21-22).

Uma vez feita a decisão, é preciso lançar-se! Não se deixe vencer pelos medos: lançe-se com coragem. Coloque todos os meios que tem à sua disposição para realizar o que você decidiu.
Com sua decisão você também  compromete todo o seu passado e  futuro. A única maneira de realizar o plano de Deus na vida é a fidelidade de todos os dias. viver cada momento, de acordo com o que decidiu, você dirige todos os seus passos em direção à meta. E quando aparecem as dificuldades? Persevere! Prepare-se para a luta, você terá de enfrentar problemas e superar os obstáculos. Jesus diz: "Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz, e me siga "(Lc 9, 23). A trilha é difícil, no entanto, Maria irá acompanhá-lo.
7) ACOMPANHAMENTO VOCACIONAL/ DIREÇÃO ESPIRITUAL

A direção espiritual, na realidade, não é apenas mais um passo no processo de discernimento vocacional, é um meio, que você pode lucrar em cada uma das etapas vistas antes. O diretor espiritual ou Orientador Vocacional irá motivá-lo para você rezar e entender os sinais da vontade de Deus. Vai mostrar onde você pode obter informações e ajudá-lo a refletirVai ajudá-lo a se preparar adequadamente para entrar em uma casa de formação. Se é verdade que a vocação é um chamado pessoal de Deus, ninguém pode ouvir esse chamado por você, por isso, você precisa ter alguém para acompanhá-lo em seu discernimento vocacional, pois escutando o Chamado de Deus, irá partilhar com outra pessoa essa voz que está a escutar.
O discernimento do plano de Deus, é necessário fazer com a mediação da Igreja. Descobrir a vocação não é fácil, mas não impossível. Se você partiu com sinceridade a buscar a vontade de Deus, e percebeu os passos que sugerimos, acho que você pode entender. Deus é o primeiro interessado em que você possa descobrir e perceber sua vocação.
A guia para este caminho é Maria: Ela intercede, acompanha, incentiva, apoia; é uma mãe e amiga. Ela nos leva ao "porto seguro".

  

(Fonte: Texto adaptado do site www.vocazione.org)

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

VOCAÇÃO: Chamado a uma missão

O CHAMADO-VOCAÇÃO dos primeiros discípulos e dos apóstolos deixa claro que esses seguidores foram chamados e escolhidos para dar continuidade à missão de Jesus. Os evangelhos narram com simplicidade.

Logo após a prisão de João Batista, o precursor, Jesus assume sua missão, convicto de que deve anunciar a todos a Boa Nova do Reino de Deus (cf. Lc 4,43).  
No discurso inaugural, Jesus anuncia o seu projeto de ação: “Cumpriu-se o tempo e o Reino de Deus está próximo: Convertei-vos e crede no Evangelho” (Mc 1,15). Lucas enfatiza que Jesus veio para evangelizar (Lc 4,16ss ). Trata-se de uma proposta prática, concreta e abrangente, que envolve a todos. Por isso, Jesus se dá conta que não pode agir sozinho. Então, ele chama cooperadores.
Acompanhe, com atenção, a resposta dos primeiros convocados, em Mc 1,16s:
Ao passar pela beira do mar da Galiléia, Jesus viu Simão e seu irmão André; estavam jogando a rede ao mar, pois eram pescadores. Jesus disse para eles: «Sigam-me, e eu farei vocês se tornarem pescadores de homens.»  Eles imediatamente deixaram as redes e seguiram a Jesus.
Caminhando mais um pouco, Jesus viu Tiago e João, filhos de Zebedeu. Estavam na barca, consertando as redes. Jesus logo os chamou. E eles deixaram seu pai, Zebedeu, na barca com os empregados, e partiram seguindo a Jesus”.
Continuando a caminhar, Jesus foi chamando outros discípulos e dentre eles “constituiu os Doze”.  Para que os chamou? Conforme Marcos,  Jesus constituiu o grupo dos Doze, para que ficassem com ele e para enviá-los a pregar,  com autoridade para expulsar os demônios. (Quem são) os Doze?  Simão, a quem deu o nome de Pedro; Tiago e João, filhos de Zebedeu, aos quais deu o nome de Boanerges, que quer dizer «filhos do trovão»;  André, Filipe, Bartolomeu, Mateus, Tomé, Tiago, filho de Alfeu, Tadeu, Simão o cananeu,  e Judas Iscariotes, aquele que depois o traiu.
Nesse grupo, Jesus reuniu o novo povo de Deus, em continuidade à caminhada do antigo Israel. Realiza-se a promessa. Jesus é o Messias servo. Ele entrega-se e dá sua vida pela salvação de todos.
Desse modo, aderir a Jesus é a condição para integrar e fazer parte da família dos filhos de Deus. E quem adere a Jesus? Àquele que o acolhe; aceita sua proposta e procura viver sua vida inspirando-se na vida do Mestre
Toda pessoa que foi batizada, na Igreja, já aceitou Jesus. O Batismo é a porta de entrada para a grande família de Deus. Por isso, como filho/a, no Filho, renascido(a) pelo  batizado/a procura viver os valores do Reino de Deus, a exemplo do que Jesus viveu e ensinou. E quando a pessoa batizada é criança? Aí, os pais e padrinhos respondem por ela e responsabilizam-se em ajudá-la a crescer na fé da Igreja, até o dia em que ela possa assumi-la pessoalmente, em seu próprio nome. É assim que se dá o crescimento no caminho do seguimento de Jesus.

Aqui se afirma também a nossa missão. Hoje, cabe a cada um (a) de nós essa tarefa de evangelizar, de manifestar a todos a verdade, o amor e a bondade de Deus para conosco. Como os discípulos, cada um(a) de nós é convidado(a) deixar algo de si para seguir e anunciar Jesus Caminho, Verdade e Vida para que nele os povos tenham vida (Cf. Doc.de Aparecida).

Que o exemplo de disponibilidade e de prontidão dos Doze nos fortaleça no SIM à nossa missão. 
Para refletir aprofundar, rezar e vivenciar
1. Ao chamado de Jesus, os Doze responderam prontamente. O que me impede de dizer SIM e ser um discípulo-missionário?
2. A quem ou a qual realidade, hoje, o Senhor me envia e o que devo anunciar?
Referência: Texto produzido por Ir. Lourdes Silva, fsp

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

A palavra está perto de ti

domingo, 3 de janeiro de 2016

Aos jovens:

Ser jovem é ser construtor de ideais,
desvelando gestos concretos com coragem e ousadia,
que se engrandecem quando o aplauso
da ribalta se esvazia.

Ser jovem é ser alvorada,
desbravando surpresas no meio das labutas
de cada dia,
e iluminando-se de serenidade
quando o crepúsculo se anuncia.



Ser jovem é ser militante de um mundo melhor,
pensando suas ações como aventuras que
mudam a história,
para projetar nos anos de seus porvir
sinais de sua vitória.
Ser jovem é ser trovador
cantando as lutas da liberdade
e celebrando as conquistas de uma nova humanidade.
Ser jovem é ser sonhador,
incitando a embriaguez da utopia
na construção de um novo que propicia.

















(A. S. Bogaz e Márcio Couto)

FONTE: Site Paulinas