segunda-feira, 30 de abril de 2012

Entrevista com Ir. Luiza Ricciardi

Dando continuidade à série de entrevistas com as Irmãs, que neste ano celebram 50 anos de vida consagrada paulina, hoje quem partilha sua história vocacional conosco é a Ir. Maria Luiza Ricciardi, natural do Rio Grande do Sul e que atualmente mora em São Paulo-SP. Confira:

1. Texto Bíblico que iluminou minha caminhada...
O primeiro texto que li no Evangelho, quando ainda criança de 8 anos, foi o das Bem-aventuranças. Lembro-me que me deu um grande consolo porque, conforme o que eu podia compreender então, respondia a uma situação da minha vida infantil. Não tenho uma passagem do Evangelho em especial porque essa leitura sempre alimentou a minha vida e me deu a luz e o alento que precisava cada dia, em cada situação, especialmente nas mais difíceis.
Quanto à minha vocação religiosa, a motivação fundamental e a explicação pela minha caminhada de 50 anos na vida e missão paulinas, só pode ser compreendida essencialmente nesta passagem do evangelho de Marcos, 3,13-19: “Chamou os que Ele quis para ficarem com Ele e para serem enviados em missão”. É um caso de amor da parte de Deus que provoca em quem o recebe uma resposta irrecusável, com uma força que nos ultrapassa e faz vencer todos os obstáculos, sofrimentos e dificuldades.

2. Meu Chamado Vocacional...
 Esse chamado, naturalmente, se faz através de mediações. Para mim, tudo começou com a leitura de um livro, a autobiografia de Santa Terezinha, “História de uma alma”, que li quando tinha 14 anos. Então senti que o amor de Deus tinha que ser absoluto e que só Ele merecia que eu me entregasse completamente. Influenciada por essa leitura, e desejando alcançar um estado de união com Deus, na vida contemplativa, pensei em entrar para o Carmelo. Cheguei a me corresponder e a falar com as carmelitas. Mas como não tinha possibilidade de realizar essa aspiração fiquei esperando. Nesse meio tempo chegaram em Uruguaiana , RS (minha cidade natal) as irmãs Paulinas. Abriram uma livraria pertinho da minha casa. Eu sempre fui apaixonada por livros. Comecei a frequentar a livraria, onde conheci as irmãs e, na convivência, fui também conhecendo a espiritualidade e a missão paulina. Então, compreendi que poderia consagrar-me numa vida a serviço do Evangelho, entregando-me a Deus inteiramente, com todos os dons que Ele me deu, na missão paulina.

3. Desafios vividos...
 Para concretizar esse ideal, tive que enfrentar muita resistência da família e muitos momentos difíceis. Mas a mão de Deus sempre me sustentou e sempre continuou a sustentar, até hoje, fazendo-me ultrapassar meus limites e fraquezas.
4. Minhas experiências na Missão Paulina...
 Exerci a missão na visita às famílias, levando a revista “Família Cristã” e livros. Trabalhei vários anos nessa revista, primeiro no setor de arte, depois na redação. Passei também pelo setor editorial e depois no setor de discos, dedicando-me à produção musical, onde estou até hoje.
5. Mensagem às Jovens:
 O que eu posso dizer às jovens que se sentem também chamadas a esta vocação? Somente isto:
Ir. Maria Luiza Pedroso Ricciardi, fsp

               

sábado, 28 de abril de 2012

49º Dia Mundial de oração pelas Vocações

Irmãos e irmãs!
O 49º Dia Mundial de Oração pelas Vocações, celebrado no IV domingo de Páscoa – 29 de Abril de 2012 –, convida-nos a refletir sobre o tema «As vocações, dom do amor de Deus».
A fonte de todo o dom é Deus, e Deus é Amor – Deus caritas est. A Sagrada Escritura narra a história do amor de Deus para com a humanidade, que antecede a própria criação. São Paulo, ao escrever aos cristãos de Éfeso, eleva um hino de gratidão e louvor a Deus Pai pela benevolência com que predispõe, ao longo dos séculos, o cumprimento do seu desígnio universal de salvação, que é um desígnio de amor. No Filho Jesus, Ele «escolheu-nos antes da criação do mundo, para sermos santos em caridade na sua presença» (Ef 1, 4). Fomos amados por Deus, ainda «antes» de começarmos a existir! «Criou-nos do nada» (cf. 2Mac 7, 28) para nos conduzir à plena comunhão com Ele.
Vendo as obras de Deus, o salmista exclama: «Quando contemplo os céus, obra das vossas mãos, a Lua e as estrelas que Vós criastes, que é o homem para Vos lembrardes dele, para com ele Vos preocupardes?» (Sal 8, 4-5). Assim, a verdade da nossa existência está contida neste mistério admirável: cada criatura, e cada pessoa humana, é fruto de um pensamento e de um ato do amor de Deus, amor imenso, fiel e eterno (cf. Jr 31, 3). É a descoberta deste fato que muda profundamente a nossa vida. Trata-se de um amor que nos precede, sustenta e chama ao longo do caminho da vida e que tem a sua raiz na gratuidade de Deus.
 Cada vocação específica nasce da iniciativa de Deus, é dom do amor de Deus! É Ele que realiza o «primeiro passo», e o faz em virtude da presença do seu amor «derramado nos nossos corações pelo Espírito Santo» (Rm 5, 5). Na origem do chamamento divino está a iniciativa do amor infinito de Deus, que se manifesta em Jesus Cristo. Existe uma múltipla visibilidade de Deus. Na história de amor que a Bíblia narra, Ele vem ao nosso encontro, procura conquistar-nos. Também na história da Igreja, o Senhor não está ausente: incessantemente vem ao nosso encontro, através de pessoas nas quais Ele Se revela; através da sua Palavra, nos Sacramentos, especialmente na Eucaristia (Deus Caritas est n.º 17).

O amor de Deus permanece para sempre. Por isso é preciso anunciar de novo, especialmente às novas gerações, a beleza deste amor divino, que precede e acompanha: este amor é a mola secreta, a causa que não falha, mesmo nas circunstâncias mais difíceis. Irmãos e irmãs, é a este amor que devemos abrir a nossa vida; cada dia. Na realidade, a vida cristã consiste em amar «como» Deus; trata-se de um amor que, no dom total de si, se manifesta fiel e fecundo.

Na abertura ao amor de Deus e como fruto deste amor, nascem e crescem todas as vocações. É bebendo na fonte da Palavra e dos Sacramentos que é possível viver o amor ao próximo, em cujo rosto se vislumbra o de Cristo (cf. Mt 25, 31-46). Para exprimir a ligação entre o amor a Deus e o amor ao próximo, o Papa São Gregório Magno usa o exemplo da plantinha: «No terreno do nosso coração, Deus plantou primeiro a raiz do amor a Ele e depois, como ramagem, desenvolveu-se o amor fraterno» (Moralia in Job, VII, 24, 28: PL 75, 780D). De fato, o amor a Deus é a causa da resposta vocacional. O amor ao próximo, sobretudo às pessoas mais necessitadas, é o impulso que torna a pessoa geradora de comunhão entre as pessoas e semeadora de esperança.
 Vós que estais empenhados no campo da educação das novas gerações, exorto-vos, a uma escuta atenta de quantos, no âmbito das comunidades paroquiais, associações e movimentos, sentem manifestar-se os sinais duma vocação de especial consagração. É importante que se criem, na Igreja, as condições favoráveis para poderem desabrochar muitos «SIMs», respostas generosas ao chamamento de Deus.  É tarefa da pastoral vocacional oferecer os pontos de orientação para um itinerário vocacional. É preciso amor à Palavra de Deus, cultivar familiaridade com a Sagrada Escritura, oração pessoal e comunitária constante, para ser capaz de escutar o chamamento divino no meio de tantas vozes que inundam a vida diária.

Desejo que as Igrejas locais, nas suas várias componentes, se tornem «lugar» de vigilante discernimento e de verificação vocacional profunda, oferecendo aos jovens e às jovens um acompanhamento espiritual sábio. Deste modo, a própria comunidade cristã torna-se manifestação do amor de Deus, que guarda em si mesma cada vocação. Tal dinâmica pode encontrar expressiva realização nas famílias cristãs, cujo amor é expressão do amor de Cristo, que Se entregou a Si mesmo pela sua Igreja (cf. Ef 5, 25). Nas famílias, «comunidades de vida e de amor» (Gaudium et spes, 48), as novas gerações podem fazer a experiência maravilhosa de amor e de doação. As famílias são o lugar privilegiado da formação humana e cristã, e do despertar vocacional.

Com estes votos, concedo a Bênção Apostólica a todos que se põem à escuta da voz de Deus, prontos a acolhê-la com uma adesão generosa e fiel.
PAPA BENTO XVI

Irmãs Paulinas

quinta-feira, 26 de abril de 2012

2º Simpósio da Família e 4ª Peregrinação Nacional da Família à Aparecida (SP)


O tema do 2º Simpósio da Família e da 4ª Peregrinação Nacional das Famílias ao Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, em Aparecida (SP), nos dias 28 e 29 de abril de 2012 é A Família: o trabalho e a festa. Participarão dos eventos famílias vindas de todas as dioceses do Brasil, sendo estimada a participação de 200 mil pessoas nos dois dias.
O 2º Simpósio da Família e da 4ª Peregrinação Nacional das Famílias ao Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, em Aparecida (SP) é uma realização da Comissão Episcopal Família e Vida, da CNBB, com apoio logístico e organizacional da Pastoral Familiar do Regional Sul 1 da CNBB.



O tema escolhido para o 2º Simpósio da Família e a 4ª Peregrinação Nacional das Famílias está em sintonia com o tema do 7º Encontro Mundial das Famílias, que se realizará entre os dias 29 de abril a 3 de maio de 2012, em Milão (Itália): A Família: o Trabalho e a Festa.

Saiba mais clicando na página: PEREGRINAÇÃO NACIONAL DA FAMÍLIA, que está acima neste blog: e confira os Comunicados à Imprensa. 

Gráfica de Paulinas recebe a visita de duas escolas


Vindas de Jundiaí, interior de São Paulo, duas escolas visitaram a “Fábrica dos Sonhos” e mergulharam no mundo fantástico dos livros, nesta terça-feira, 24 de abril.


Eram dois Colégios da Rede Vicentina de Educação: Colégio São Vicente e Colégio Francisco Telles. Ao todo somavam 56 crianças do 5º e 6º ano. Todos tiveram a oportunidade de assistir a um DVD que explica, além do processo de fabricação do livro, a história do surgimento da escrita e do papel.

Na gráfica os colaboradores explicavam a função de cada máquina por onde passa o livro. Primeiramente na montagem dos fotolitos e revelação das chapas para impressão, depois o processo de corte e a impressão. Então as folhas impressas seguem para o acabamento, onde são dobradas formando os cadernos; esses cadernos são alceados para então serem ou costurados ou broxurados ou grampeados e, por fim, recebem a capa e são refilados, e saem prontinhos para seguir para a expedição de onde partem para muitas livrarias no Brasil e no mundo.

A visita concluiu-se na Livraria Paulinas. Onde as crianças puderam ver e tocar nos livros já prontinhos. E com certeza, a partir de agora, depois de verem quanto empenho existe por trás da produção de um livro, o valorizarão muito mais!   

Confira mais algumas fotos:

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Oração para obter vocações!

Rezemos esta oração e peçamos ao Senhor da Messe que desperte muitos corações para todas as vocações na Igreja!

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Encontro de Cooperadores Paulinos para o Evangelho


Na tarde fria e chuvosa desse domingo, 22 de abril, em São Paulo-SP, dois casais: Orlando e Lúcia, e Reginaldo e Neide com suas filhas: Caroline e Tatiane,  vieram participar do segundo encontro dos Cooperadores Paulinos para o Evangelho, da região de Osasco. O encontro aconteceu na comunidade do noviciado e foi organizado pela Ir. Izonete Dalla Corte e as noviças.

Juntos aprofundaram um pouco mais sobre a vocação do Cooperador Paulino e sobre a vida do nosso fundador, o Bem-aventurado Tiago Alberione. Após o lanche, o encontro concluiu-se com uma hora de adoração dirigida pelas noviças, segundo o método Caminho, Verdade e Vida, proposto por Pe. Tiago Alberione.


Agradecemos ao Senhor por esse momento de graça, de partilha da fé e da vocação Paulina e pedimos ao Senhor da messe que desperte o coração dos leigos para viver e realizar a missão Paulina! 

Salmo da Comunicação

Rezemos pela comunicação Social com esta oração adaptada pelo Bem-aventurado Tiago Alberione:

domingo, 22 de abril de 2012

Crianças visitam a Gráfica de Paulinas


O escola Ursa Maior, de São Paulo-SP, trouxe para visitar o Parque Gráfico de Paulinas, nesta quinta-feira, 19 de abril, 69 crianças do 4º e 5º ano.
Para aproveitarem bem a visita monitorada na gráfica, as noviças, após conversarem com eles e contarem a história do livro: O grandeproblema da vaca Letícia, os dividiram três grupos. Na gráfica acompanharam todo o processo de fabricação do livro: a montagem dos fotolitos, a impressão, corte, dobra, alceamento, costura, colagem da capa, grampeamento, refilamento e, por fim, viram os livros na expedição, de onde saem os pedidos para o todo o Brasil e o mundo. 
Montagem dos fotolitos
Na máquina: dobradeira

Todos se encontraram, no final, na Livraria, onde puderam contemplar os livros já prontinhos. 



Foi um momento de muita alegria, pois cada criança trouxe dinheiro para adquirir o seu livro e queriam, sem dúvida, escolher o melhor livro. Um escolha nem sempre fácil. Mas, folheando, perguntando e procurando por toda a loja, cada um conseguiu escolher o seu e sair satisfeito. 

sábado, 21 de abril de 2012

Encontro com catequistas


Encontro com catequista da Paróquia São Francisco Xavier – Guaianase-SP

                       “Ser catequista é sempre um dom do Espírito Santo. É uma resposta generosa a um convite de Deus. É uma vocação radicada no batismo, um serviço eminentemente eclesial.” (DC)

No dia 15 de abril de 2012, as Irmãs Vanderlane de Araújo e Maria José de Aguiar estiveram na Paróquia São Francisco Xavier em Guaianase-SP, para assessorar uma formação aos catequistas.

Neste encontro refletiu-se sobre o Diretório Nacional de Catequese abordando a sua importância para a caminhada da catequese.

O momento foi de muita partilha e questionamentos, onde os catequistas tomaram maior consciência de sua missão e desejo de continuar o processo de preparação e formação para melhor contribuir na evangelização e educação da fé dos catequizandos.
Este foi o primeiro encontro, continuaremos aprofundando o Diretório Nacional de Catequese.




quinta-feira, 19 de abril de 2012

Aliança na Família Paulina

Por Irmã Ivonete Kurten, fsp

No dia 15 de abril de 2012, das 9 às 18 horas, a Família Paulina, no Brasil, realizou o 2º Dia Paulino. O evento faz parte de uma agenda de atividades, que visam preparar os membros da Família Paulina para a celebração do primeiro centenário de sua fundação. O encontro aconteceur na Cidade Paulina, em São Paulo (SP), residência dos padres paulinos e reuniu cerca de 150 pessoas das congregações paulinas, institutos e cooperadores paulinos.
O 2º Dia Paulino contou com a assessoria do Padre Antonio Silva, SSP, que por mais de 30 anos trabalhou no Centro de Espiritualidade Paulina em Roma. O tema abordado foi a oração do Pacto ou Segredo de êxito, “um dos pontos fortes da espiritualidade da Família Paulina, que, por ocasião do triênio do primeiro centenário de sua fundação, é chamada a explicitar os pressupostos bíblicos e teológicos desta oração.


Este já é o seu dia de aprofundamento, oração e reflexão que a Familia Paulina realiza por ocasião da preparação para o Centenário da Família Paulina, que será em 2014. 
Os participantes foram introduzidos na reflexão do tema com a oração sobre o pacto, preparada pela equipe do centenário, na Itália. Em seguida, a conferência de padre Antonio. O almoço foi um momento forte de convivência fraterna entre os participantes. Padre Arno Brustolin, superior da casa, e os jovens seminaristas foram responsáveis de preparar, junto com as colaboradoras a deliciosa comida. E estava muito boa, segundo os comensais.
Na segunda parte do dia, os presentes assistiram o filme Langhe: immagini da ascoltare, musica da vedere, que mostra cidades italianas de onde vieram os primeiros e as primeiras apóstolas da Família Paulina, para evangelizar com a Comunicação.


Em seguida, numa partilha em pequenos grupos e depois em plenário, os membros da Família Paulina aprofundaram o estudo do Pacto ou Segredo de êxito e elaboraram uma questão para o assessor. Dentre as questões destacam-se as indagações de como viver o pacto como forma de testemunho da Família Paulina, para a sociedade de hoje e qual a relação entre a vida consagrada e a questão profissional e nessa relação a vivência do pacto. Para essas perguntas, pe. Antonio foi enfático em dizer que somos, em primeiro lugar, religiosos, consagrados e, ao viver a nossa consagração, vivemos de fé. A Fé e a humildade são características da vivência da nossa aliança com Jesus. Se queremos ser só ser profissionais, podemos arrumar as malas. Isso não é vocação paulina. A atualização do Carisma Paulino se dá quando seguimos com radicalidade Jesus. As formas de comunicação e o profissionalismo devem nos ajudar a viver e testemunhar o seguimento do mestre. No final da tarde houve a avaliação do encontro e a Santa Missa.

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Leitura para Páscoa


Este livro possui Meditações Pascais do Pe. Valter Maurício giram em torno da convicção de que Jesus está definitivamente conosco, na comunidade eclesial e em cada uma de nossas vidas pessoais, convicção fundada na sua promessa - Eu estarei convosco - como o lembrou o Papa João Paulo II na Carta Encíclica sobre o Novo Milênio.

Acompanhando de perto as leituras litúrgicas, sem se ater necessariamente a elas, o autor nos propõe para cada dia, da Páscoa a Pentecostes, uma meditação sobre um texto bíblico, seguida de uma oração. A espiritualidade pascal é, antes de tudo, o reconhecimento do dom de Deus que vem a nós na presença efetiva do Ressuscitado e no Espírito, que nos é dado de maneira definitiva em Pentecostes.

terça-feira, 17 de abril de 2012

Congresso Diocesano da Juventude


Tendo em vista a Jornada Mundial da Juventude que acontecerá em 2013 no Rio de Janeiro, a Diocese de Osasco-SP começou a preparar seus jovens. Nesse domingo, 15 de abril, aconteceu o Congresso Diocesano da Juventude, na Casa de Retiro Ibaté, em São Roque-SP. Participaram mais de 300 jovens, líderes das comunidades. As Irmãs Paulinas marcaram a presença com a participação das jovens Regina Garreto e Josiane Moreira.  


O encontro que teve por tema: “Para que todos sejam um” (Jo 17,21), foi assessorado pelo Pe. Toninho, assessor nacional da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) pela juventude.  Ele trabalhou a importância dos jovens na Igreja, a partir do documento 85 da CNBB: “Evangelização da Juventude”.  Destacava que os jovens têm uma força muito grande para dar um rosto à Igreja. Abordou também a questão da missionariedade do jovem católico, pois a juventude que mora no coração da Igreja é fonte de renovação da sociedade. Enfatizou também que a Igreja quer renovar a opção afetiva e efetiva pela juventude e, por isso mesmo, esta preparando os jovens para receber outros jovens do mundo na JMJ.,



Foram tratados também muitos temas da realidade, os desafios e as perspectivas pastorais para a evangelização da juventude. A tarde os jovens foram convidados a fazer um termo de compromisso com a Igreja, no qual eles assumiram o compromisso com  a Palavra de Deus e a Igreja e sua missão no mundo.


Para alegria e incentivo dos jovens, o Ícone e a Cruz da Jornada estavam presentes e com eles, os jovens fizeram uma peregrinação ao redor da casa de oração. Todos estavam muito animados, cheios de fé e de vida. 


A jovem Regina destaca: “deu para perceber bem a alegria da juventude católica que quer trazer mais jovens para participar dessa missão evangelizadora tão bonita que temos na Igreja”. 




Para encerrar o congresso, Dom Ercílio Turco, presidiu a celebração eucarística e sintetizou o dia falando da Palavra, da Eucaristia e da Fraternidade. Os jovens motivados pelo compromisso que assumiram, foram diante do Bispo declarar que estão disponíveis para colaborar na evangelização para o Reino de Deus. 

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Entrevista com a Ir. Élide Fogolari

Olá, pessoal! Estamos dando continuidade à série de entrevistas, com nossas irmãs que neste ano de 2012 celebram 50 anos de vida consagrada paulina. Hoje quem partilha conosco sua experiência vocacional é a Ir. Élide Fogolari, que atualmente mora em Brasília - DF. Confira:
1. Qual o texto bíblico que iluminou sua caminhada ao longo desses 50 anos de vida consagrada?
Não tive um texto específico durante os 50 anos de vida consagrada, foram vários textos  bíblicos que nortearam a minha vida, como: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida ” . Várias cartas e frases de São Paulo, mas uma em especial:Já não sou eu que vivo, mas é Cristo que vive em mim”. 



2. Como você conheceu a congregação das Irmãs Paulinas?


Certo dia eu estava no rio, próximo a  minha casa, lavando roupa com minha mãe e se aproximou a Ir. Edwiges da Congregação das Irmãs paulinas e uma jovem, aspirante paulina que a acompanhava na visita às famílias oferecendo livros, revistas, a Bíblia. Foi nesta ocasião que a Irmã me convidou para ser missionária para levar a todos a mensagem da Boa Nova de Jesus Cristo  com os meios de comunicação. Embora estivesse  vivendo minha adolescência de forma engajada  na sociedade, aguardava o convite de alguém mas não tinha coragem de seguir as pegadas do Mestre.  Imediatamente disse a Irmã que eu estava pronta para seguir a Cristo. Após uma breve preparação, ingressei na Congregação das Irmãs Paulinas. Durante estes 50 anos de vida Consagrada vivi momentos de realização que o Reino de Deus  concede como dom quando a entrega a Deus é plena, embora as nossas fraquezas.


3. Você recorda um momento significativo de sua caminhada em que sentiu a mão de Deus sobre você?
Foram vários momentos que senti a mão de Deus me conduzindo, me guiando, me sustentando. Relato um:
No meu período de juniorista, período em que a jovem faz a experiência de renovar os votos religiosos todos os anos de castidade, pobreza e obediência num período de 5 anos. Foi num destes anos  que me deparei com uma grande crise vocacional.  Fui fazer o retiro anual e durante o retiro eu com  outra colega riamos dos conteúdos das palestras do padre, do seu sotaque que era carregado do espanhol, enfim não estávamos participando do retiro. Após quatro dias de retiro fui me confessar.  O Padre que estava pregando o retiro me ouviu em confissão e me disse, ajoelha-se. Naquele momento senti um apelo profundo de Deus, quase irresistível que me convocava para uma mudança de vida. Percebi que deveria ser mais fiel a missão, mas, sobretudo a oração. Posso dizer que este foi um momento forte na minha caminhada durante os 50 anos de vida Consagrada e que este apelo de Deus continuou ressoando pela minha vida toda.



4. Quais os setores da Missão paulina você já atuou? 
Fui convocada durante estes 50 anos de vida consagrada a trabalhar em vários   setores: a) trabalhei na parte técnica, na confecção de livros, durante o período da formação, b) nas livrarias, c) na promoção dos produtos “paulinas”das livrarias pelas quais eu passei d) coordenadora de comunidades e) fui assessora de comunicação na Arquidiocese de Recife, f) Curitiba, g) na Arquidiocese de São Paulo, h) trabalhei no SEPAC – Serviço à Pastoral da Comunicação como coordenadora de cursos e durante este período criei o curso Teórico e Prático, i) fui enviada como missionária para a Africa, j) trabalhei na produção de programas de televisão, l) e assessora da Comissão Episcopal para a Comunicação na CNBB

5. Qual deles o mais desafiador?
Cada local, cada setor tem seus desafios específicos. E os obstáculos não foram empecilhos para que os trabalhos se desenvolvessem e atingissem seus objetivos. O que eu diria neste momento que a entrega e doação no trabalho e oração fazem diferença para que a vocação se desenvolva de forma efetiva. Sobretudo, quando nos jogamos no colo de Deus pela entrega, oração e dedicação ao trabalho, os desafios desaparecem.


6. Deixe uma mensagem para as jovens que desejam seguir Jesus mais de perto no Carisma paulino:
O que eu diria num primeiro momento, não ignorar o convite de Jesus, abafá-lo, esquecê-lo. Colocar-se à escuta da sua voz e perceber o grande amor, carinho, privilégio que ELE tem para com aqueles que ELE chama. Deixar tudo e segui-lo, como os apóstolos e inúmeras pessoas que nos precederam e testemunharam que vale apena seguir a Cristo para comunicá-lo a todos com a comunicação. Na verdade deixamos pouco comparando com o que ELE nos dá. Recebemos o cêntuplo aqui na terra e a vida eterna, com certeza.

sábado, 14 de abril de 2012

Bate papo Vocacional

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Crianças visitam o Parque Gráfico de Paulinas


O Parque Gráfico de Paulinas recebeu, na manhã dos dias 10 e 11 de abril, as escolas da Rede Adventista de Educação.  Ao todo foram quase 100 crianças, do 2º e 4º ano, que tiveram a oportunidade de conhecer como é o processo de fabricação do livro.


Para introduzir-lhes à visita, as noviças Paulinas acolheram as crianças com animação e contaram-lhes, com fantoches, a história: A páscoado galinheiro ou a história do ovo de galinha que queria ser ovo de páscoa, do autor: Eduardo Bakr, e ilustradora: Lucia Hiratsuka.




Após conhecerem cada máquina e sua função na gráfica, as crianças concluíram a visita na livraria Paulinas, onde puderam contemplar os livros prontinhos e escolher algum para levar para casa.


Agradecemos ao Senhor pelo dom da missão Paulina que contribui também na educação das nossas crianças! 

quinta-feira, 12 de abril de 2012

Convivência Vocacional em Maringá-PR

Dos dias 31 de março a  1º de abril de 2012 a Comunidade Paulina de Maringá-PR realizou uma convivência vocacional, com o tema: "Vem e verás” (Jo 1, 35-42).
Muitas jovens foram convidadas a participar desse tempo forte de reflexão, oração e convívio.
Com as Irmãs de Maringá
Atendendo a este convite a jovem Isabela Esmerim - 16 anos, esteve conosco, onde pôde conhecer um pouco mais a Vida Paulina, e no final da convivência sua família esteve conosco em uma tarde agradável para um café.
Isabela partilha conosco sua experiência  do Encontro Vocacional na Comunidade das Irmãs Paulinas em Maringá-PR
 Neste encontro vocacional com as Irmãs Paulinas, recebi em meu coração e minha alma profundo acolhimento. O que mais me saltou aos olhos, foi o fato de que Jesus vive em cada palavra, em cada sorriso, em cada um dos olhares, formam horas de retiro para mim. Lugar onde meu coração conheceu pessoas que vivem, que trabalham que, estudam, que rezam...
Que logo cedo estão de pé, e tão cedo também apressa-se a alegria no coração. Pés que caminham longe, se perdem e novamente se encontra.
E pensar que saí de casa temerosa, com uma ponta de angústia na alma. Com medo não sei bem do que, porém, agora com frequência quero estar aqui. Com certeza é maravilhoso tão bonito que não existe obstáculo que impeça. Existe o medo e a incerteza, mas sempre existirá também Jesus".

Que o Senhor da messe continue despertando nos corações das jovens, o desejo de conhecê-lo e permanecer com Ele.

quarta-feira, 11 de abril de 2012

História Vocacional


A noviça Mery partilha conosco um pouco de sua história vocacional. Acompanhe este lindo vídeo e reflita também sobre sua vocação.

Você já descobriu qual sua VOCAÇÃO?


terça-feira, 10 de abril de 2012

Convite para Jovens de SP

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Tríduo Pascal em Família Paulina


As Irmãs Paulinas e os Padres e Irmãos Paulinos, após iniciarem a Semana Santa juntos, com a celebração de Ramos, no domingo 1º de abril, trilharam juntos as celebrações da Ceia do Senhor, da Paixão e da grande festa da Vigília da Ressurreição.  


A celebração da Quinta-Feira Santa foi uma verdadeira vivencia daquela última ceia que Jesus comeu com seus discípulos. O Pe. Antônio Francisco da Silva, que presidiu a missa, motivou todos a participarem como se fosse a última ceia que comêssemos juntos, na qual queremos demonstrar o todo nosso amor ao irmão-irmã que está conosco. Pois, para o cristão, toda a ceia deveria ter esse sabor escatológico, como se fosse a última, deixando ao outro sempre o amor. 

Nesse clima aconteceu o gesto simbólico do lava-pés, no qual, além de lavar os pés, o Pe. Antônio, os ungiu com o perfume de Nardo puro, deixando um odor suave no ar, dessa forma todos participaram desse gesto de amor que Jesus fez por nós. No final da celebração o Santíssimo foi transladado solenemente para a capela da comunidade das irmãs, onde elas puderam fazer a vigília com o Senhor. E por fim, o dia concluiu-se com a ceia partilhada. 



Na Sexta-Feira Santa, dia de vivermos com Jesus sua condenação, sua caminhada para o calvário, crucifixão e morte, vivemos a via-sacra pela manhã, encenada pelos seminaristas Paulinos e as noviças Paulinas. E, as 15:00 horas participamos da celebração da Cruz. Momento de contemplarmos a cruz, de agradecermos a Jesus por esse gesto de extremo amor-entrega por nós. A celebração foi presidida pelo Pe. Arno Brustolin.



Por fim, no dia que nos inspira viver o grande silêncio que vem daquele túmulo em que o Senhor foi sepultado, nos reunimos, mais um vez, ao fim da tarde, para juntos rompermos esse silêncio com a solene proclamação da ressurreição: Cristo ressuscitou, verdadeiramente Ressuscitou! Cantamos solenemente a alegria Pascal: Ó noite de alegria verdadeira, que une de novo o céu e a terra inteira. Unimo-nos a todos os cristãos do mundo que certamente vivem essa mesma alegria e gritam: Aleluia! Cristo Ressuscitou! Ele está no meio de nós! Pe. Arno Brustolin, que presidiu a celebração, nos recordava os dois presentes irrevogáveis que Jesus nos deu na sua ressurreição: o Espírito Santo e a Paz!



Que a alegria Páscoa, que celebramos em Família Paulina, se estenda a todos as pessoas com o dom da Paz e da presença do Espírito Santo que renova todas as coisas e situações!