quinta-feira, 31 de março de 2011


Aspirantes Paulinas

A primeira fase da formação para se tornar uma Irmã Paulina, é chamada de aspirantado. Nós, Irmãs Paulinas, temos três casas no Brasil que acolhem as jovens para essa primeira experiência, que dura dois anos. Uma em Recife - PE, outra em Belém - PA e uma em Canoas - RS. 
Você vai conhecer hoje as jovens que ingressaram no aspirantado de Canoas no final de fevereiro. São quatro jovens que escutaram o convite de Jesus: "Vem e segue-me", e deixaram suas famílias para se aventurar em águas mais profundas. 

Da esquerda: Amanda, Sabrina, Franciele e Ayulka
  
Cada uma tem uma palavra para você!



“Ame o Senhor, seu Deus; com todo o seu coração, com toda a sua alma, com toda a sua força e com toda sua mente; e ao seu próximo como a si mesmo” (Lc 10, 27)

Eu sou Amanda de Almeida Sousa, tenho 20 anos, natural de Barueri – SP. É com alegria e confiança no Senhor que estou no 2º ano do aspirantado. Agradeço a Deus por me dar essa linda missão de amá-lo vivendo a espiritualidade e o carisma Paulino, doando minha vida a serviço das pessoas através do Evangelho.

-------------------------------------------------------------

“Ide, pois, fazer discípulos entre todas as nações” (Mt 28, 19)

Paz de Cristo! Sou Ayuka Gabriela de S. André, tenho 20 anos, sou natural de Sorocaba – SP e morava há 5 anos em Joinville – SC. Motivada por Cristo a dar esse passo de coragem, ousadia e liberdade, ingressei na congregação das Irmãs Paulinas no dia 20 de fevereiro de 2011. Tenho o desejo de fazer um verdadeiro discernimento do chamdo que Deus me faz de viver uma intimidade maior com Ele, a exemplo dos fundadores Pe. Tiago Alberione e Ir. Tecla Merlo.
Mediante a essa liberdade que Ele me dá, digo: “Eis-me aqui, Senhor, para fazer Tua  vontade.” Como sinal de motivação, busco sempre me voltar a essa frase: “Não temam. Eu estou com vocês. Daqui quero iluminar. Vivam em contínua conversão.” (Bem-aventurado Tiago Alberione). 
----------------------------------------------------------------------

“Faço de você uma luz para as nações, para que a minha salvação chegue até os confins da Terra” (Is 48, 6)

Olá, sou Franciele Aparecida Rodrigues Joaquim, tenho 19 anos, sou natural da cidade de Sarandi – PR. É a luz do Evangelho que me ilumina a cada dia. Dou início a mais um ano de caminhada, com muita confiança em Deus e em mim mesma, aprendendo de Jesus e das pessoas para que, assim eu possa contribuir para o anúncio da Boa Nova até os confins de toda a terra.


---------------------------------------------------------------------

“Embora sendo muitos, formamos um só corpo em Cristo, e cada um, por sua vez, é membro dos outros.” (Rm 12, 5)



Olá, me chamo Sabrina Mosena Inácio, tenho 17 anos e sou natural de Barão – RS. Ingressei na Congregação das Irmãs Paulinas no dia 20 de fevereiro de 2011. Senti meu coração pedindo algo mais e não sei o que faltava. Agora, meu coração trsnsboarda de alegria em poder servir à Cristo junto às Irmãs Paulinas. Ser sal para a terra, luz para o mundo e espalhar aos confins do mundo a Boa Nova de Jesus Cristo, Caminho, Verdade e Vida. “No peito eu levo uma cruz, no meu coração o que disse Jesus”. (Pe. Zezinho)

------------------------------------------------------------



"Não vivamos de sonho, comecemos do pouco e sigamos o caminho lento, mas seguro dos virtuosos!"
(Pe. Tiago Alberione)


quarta-feira, 30 de março de 2011

III Caminhada pela Paz


Entre os dias 15 a 20 de março as Irmãs Paulinas do Recife, estiveram na cidade de Caaporã – PB, para junto com a comunidade realizarem a III Caminhada pela Paz.


O evento foi organizado pela equipe do ECC (Encontro de Casais com Cristo) da paróquia Nossa Senhora da Conceição. As Irmãs: Elivânia e Lindomar e as aspirantes Luciana e Kaline percorreram, juntamente com os integrantes do EEC, 12 escolas da cidade durante toda a semana para junto com os alunos refletirem sobre a paz. 


Enquanto visitavam as escolas nos horário da manhã, tarde e noite, as comunidades rezavam a novena pela paz nas famílias.


Foi uma semana, na qual todos puderam refletir e perceber que a paz está em nossas mãos e que não precisamos fazer grandes coisas, mas precisamos plantar e cultivar a paz que habita em nossos corações.


A missão terminou no dia 20 com a celebração Eucarística. Em seguida houve adoração na capela de São Sebastião, organizada pelas pastorais e grupos. Ao mesmo tempo em frente a capela havia quatro tendas: uma para os casais, jovens, crianças e outra com as exposições dos trabalhos das escolas. Todas as tendas buscaram dialogar e refletir sobre a necessidade de assumir e caminhar na dimensão da Paz. À tarde aconteceu uma celebração ecumênica pela paz, logo após saíram em caminhada pelas ruas, cantando, rezando e dançando. 


Por um mundo de paz!

terça-feira, 29 de março de 2011


Dez dias semeando o Evangelho em Americana - SP

Dos dias 10 a 20 de março a Paróquia São Benedito, na cidade de Americana, no interior de São Paulo, recebeu a presença das Irmãs Paulinas para dias alegres e intensos de missão. Confira as fotos e a partilha da ir. Sebastiana e das jovens postulantes que participaram.

"Foi grande a nossa alegria em partilhar um pouco daquilo que somos e temos com o povo de Americana nessa Semana Missionária Paulina. O contato com as pessoas que se deram nos encontros, nos momentos celebrativos, nas famílias tudo foi motivo de aprendermos da Palavra de Deus, partilhar a fé e sermos eucaristia viva na sociedade.
Foram dez dias bem intensos, onde o cansaço e a fadiga tinham sabor de missão cumprida. A cada dia com sua programação própria as missionárias e comunidade mostravam o quanto a vida é vibrante. Quanta possibilidade existe quando colocamos as coisas de Deus em nosso existir.
Nosso sentimento é de gratidão, ao Divino Mestre por convocar pessoas e chamá-las para anunciar o Evangelho com a vida e missão. Ao povo de Americana pela acolhida e testemunho de fé. Ao Pe. Vilson pelo seu testemunho de amor ao sacerdócio. A nossa Congregação das Irmãs Paulinas por nos ter formado e enviado. E pela comunidade que nesses dias contribuiu para que crescêssemos em santidade e no amor a Deus.
Quero deixar um recado para os jovens, moças e rapazes: a vida consagrada a Deus vale a pena e é uma forma de se realizar e ser feliz.
A todos minha prece e gratidão."
Ir. Sebastiana Schissel


Da esquerda, as postulantes: Marly, Gizely, Marília, Gisele, Aucilene, Josiane e a Ir. Sebastiana


“Tudo isso eu o faço por causa do evangelho, para me tornar participante dele”. (1Cor 9,23)


"Essa semana missionária na Paróquia São Benedito em Americana foi uma semana de Deus. O povo é muito acolhedor, participativo nos encontros e disponível para tudo.
Cada visita foi um aprendizado de fé, testemunho e de evangelização. Em cada casa ou local visitado, uma semente nova foi plantada e outras foram restauradas.
Pelo que vejo o povo esta caminhado juntamente com Pe. Vilson para a construção de sociedade mais fraterna.
Toda essa experiência está me ajudando a ser mais comprometida com o povo, disponível aos imprevistos e dedicada na minha caminhada de Filha de São Paulo.
Essa missão despertou em mim o desejo de me preparar cada vez melhor para realizar a missão paulina."
Marly Diamantino

Gisele e Marly contando história com fantoches

"Deus se manifesta no meio do povo, no coração de cada pessoa.
Agradeço a Deus por esta semana missionária em Americana. Pela graça de partilhar a vida, a palavra de Deus e de aprender falando e ouvindo o povo. A todos as minhas orações."
Josiane Moreira



“Façam tudo para glória de Deus” (Cor 10,31)

"Nesse dias de missão em Americana descobrir a força de um povo que tem uma fé profunda, concretizada em atitudes de bondade na partilha de vida e no serviço. Um povo que tem consciência da missão lhes confiada pelo Pai. Dessa experiência levo comigo a força da gratuidade e da união."

Aucilene Moura

Nas escolas com as crianças

“Ai de mim se eu não anunciar o Evangelho”. (1Cor9,16)

"Esta semana missionária em Americana foi um tempo muito forte da graça de Deus na minha vida, pelas sementes da Palavra que semeei e principalmente pelos testemunhos de fé e gratuidade que aqui encontrei, de pessoas que dedicam seu tempo para trabalhar pelo Reino do Senhor. Por isso peço a Deus que abençoe a todos, para que a chama da Palavra permaneça acesa no coração desta comunidade.
Gizely Pinheiro



"Renovar, reavivar o dom de Deus que esta em mim e reavivá-lo também na vida das pessoas que encontramos em Americana-SP.
Significa que as pessoas continuam clamando a Deus e Deus continua ouvindo o clamor do seu povo e enviando pessoas para libertá-lo. Lançamos as sementes com muita fé e alegria nos terrenos onde passamos. Fica agora o desafio de cuidar, cultivar e frutificar, dar vida a tudo que Jesus despertou nas mentes e corações das pessoas, só assim essa semana missionária terá sentido.Portanto, nunca nos cansemos de fazer o bem, de doar a vida que a cada dia se torrna mais humana se vivida no meio do povo, que me ajuda na conversão, perseverança e fidelidade a minha vocação. Sou profundamente grata a paróquia São Benedito e a Jesus Caminho, Verdade e Vida que me permitu fazer essa experiência."
Marília Farache



"Que o amor fraterno vos una uns aos outros, com terna afeição." (Rm 12,10a)

"A Semana missionária realizada na cidade de Americana-SP foi sem dúvida um sinal do amor de Deus. Cada dia e cada encontro realizado na Paróquia São Benedito era uma surpresa que Ele preparou com carinho. Senti seus apelos à medida que em comunidade nos alimentávamos da palavra e da Eucaristia.

Acolhida, fraternidade e unidade; são as palavras chaves que definem o significado desta missão para mim; elas me mostraram o que realmente faz uma comunidade caminhar e como Deus se manifesta na fraternidade que nasce de um simples bom dia, de um sorriso... Tudo isso, é fruto da partilha de vida e da vontade que cada pessoa, que participava junto conosco, tinha de ser um com o outro e de doar para Deus o seu tudo, um dia de cada vez.
Sinto-me imensamente agradecida a Deus; Ele me deu a oportunidade de sentir a chama do seu amor ardendo em meio ao povo da Paróquia São Benedito. Daí também nasce em mim uma prece: que a chama da fraternidade, da acolhida e da unidade continuem acesas no povo desta paróquia e principalmente que vocês continuem incendiando muito corações com esse amor verdadeiro que vem de Deus.
Gisele Barbosa



Testemunho de uma jovem da comunidade que acompanhou as irmãs na missão como “anjo”.

"A semana missionária trouxe mais vida na comunidade. Com a Leitura Orante pela manhã, com as reuniões enriquecedoras e a companhia das irmãs, pudemos viver momentos com muita intimidade com Deus.

A vinda das irmãs trouxe mais unidade e espero continuar com esse clima com todos os que sentiram e receberam essa benção. A semente foi planta e nós como comunidade devemos cultivar esse amor."
Aline Birk

A equipe missionária das Irmãs com o pároco, Pe. Vilson
 
Agradecemos a Jesus Mestre por essa missão em que a Palavra foi semeada em tantos corações!




segunda-feira, 28 de março de 2011

Encontro de Crismandos e Adolescentes em Maringá - PR

Aconteceu dia 20 de março o 1° ENCAD (Encontro de Crismandos Adolescentes) da Arquidiocese de Maringá - Pr com o tema: "Recebereis o poder do Espírito Santo que descerá sobre vós, para serdes minhas testemunhas" (At 1,8). 


Entrada da Palavra
Jovens participantes do encontro
Jovens rezando




A equipe organizadora motivou alguns grupos de jovens atuantes nas paróquias para que apresentassem peças teatrais. Muita animação marcou o encontro com o objetivo de criar espaços na igreja, para que os adolescentes e jovens não deixem sua comunidade de fé após receberem o sacramento do Crisma mas, possam assumir de maneira radical o seguimento de Jesus Mestre Caminho Verdade e Vida, pedido que foi enfatizado pelo Arcebispo Dom Anuar Batistti. 


Dom Anuar conversando com os jovens e dizendo da importância do encontro e do desejo que todos sejam seguidores de Jesus Mestre Caminho, Verdade e Vida. 
Teatro
Apresentação de dança


A Ir. Líria Grade que participou do encontro diz: "Agradeço ao Senhor por nos dar forças e coragem para, sempre de novo, criar espaços para que muitos jovens crescam na fé e com isso possam responder, também, no seguimento de Jesus na vida Consagrada."

domingo, 27 de março de 2011

Irmãs Paulinas na Angola!

Última parte da entrevista com a Ir. Catarina Boff, ela se despede deixando uma mensagem as jovens em formação na Angola. Porém, essa mensagem é também para você!


sábado, 26 de março de 2011

60 anos de fidelidade

Encerramos hoje, a partilha das irmãs Jubilandas de diamante com a história vocacional da Ir. Gabriela Potrick. 

Ir. Gabriela

Elas nasceu em Encantado – RS. Desde muito cedo teve a certeza de que tinha a vocação para ser religiosa. Na sua Primeira Eucaristia lembra que pediu a Deus a graça da vocação e teve a certeza que a obteve. Mas para confirmar, contou-nos entre risos, que até arrumou um ‘namoradinho’ para ver se tinha mesmo a vocação para ser freira, e dizia isso a ele com sinceridade, ao passo que ele afirmava então, que, ia ser padre.

Aprendeu a costurar e, certa vez ganhou de seu pai o jogo de lençóis para o enxoval do casamento. Ficou triste e disse que desejava ser religiosa, porém, bordou-os com todo o carinho, mas com a certeza que não seriam para ela.  
No dia em que deixou sua casa e foi para Porto Alegre, durante a noite, colocou aquele jogo de lençóis que havia bordado, no quarto de seus pais. Tem a certeza que a mãe chorou sobre eles muitas vezes. 
Ir. Gabriela sente-se muito feliz hoje e recorda esses fatos com emoção. Assim como da missão que realizou nesses 60 anos: na propaganda, na livraria, na Pastoral Vocacional, nas comunidades. Tem a certeza: “Jesus é o Caminho, a Verdade e a Vida e quem o segue não anda nas trevas”.



"A vocação é a vontade de Deus que destina alguns a uma vida especial. É um designio de amor do Pai Celeste que confia a uma pessoa uma missão especial" (Pe. Tiago Alberione)

sexta-feira, 25 de março de 2011

Leitura Orante da Palavra com os jovens

Nesse último sábado, 20 de março, aconteceu o primeiro encontro do Projeto de Vida para Jovens de Leitura Orante da Palavra, na Cidade Regina, em São Paulo. 


Apesar do domingo de frio e sereno, 14 jovens corajosos saíram de suas casas, pela manhã, para participar desse encontro com a Palavra de Deus. O encontro foi orientado pelas noviças Karina e Mery. O Evangelho meditado foi o da liturgia do 2º domingo da quaresma (Transfiguração do Senhor). 


A partilha da Palavra é sempre muito rica e envolvente. Assim como a Priscila, uma das jovens, partilhou: "Como os discípulos tiveram medo ao ver Jesus transfigurado, eu também, às vezes, tenho medo de Deus, enquanto não tenho medo de tantas outras coisas em nosso mundo do qual estou habituada a ver, como a violência, a droga, a maldade, essas coisas já não nos causam nem muita impressão." 


Agradecemos ao Senhor por esses jovens e por tantas pessoas que dedicam seu tempo a Palavra e deixam-se iluminar por ela. 

Se você, jovem que mora em São Paulo, também deseja participar desse encontro, o próximo acontecerá no dia 17 de abril. 
Entre em contato conosco:

Paulinas Livraria 
Rodovia Raposo Tavares, Km 19,145
Jardim Monte Alegre 
São Paulo - SP
Fone: (11) 3789-1426
noviciado@paulinas.com.br

quinta-feira, 24 de março de 2011

60 anos de fidelidade

Continuamos partilhando com você a história vocacional das irmãs que, nesse sábado, celebraram 60 anos de Vida Religiosa Paulina. E hoje, vamos conhecer um pouco da história da Ir. Escolástica Perotto. Tem mais duas que também são religiosas Paulinas, a Ir. Cecília Perotto e a Ir. Irene Perotto, mas ela foi a primeira a ingressar na congregação em 1948. 

Ir. Escolástica
Ir. Escolástica é natural de Barra do Ouro - RS. Entrou na congregação aos 17 anos. Não pensava que tivesse vocação até o momento em que foi interrogada pela primeira vez e respondeu sim. Um sim que não voltou atrás. As irmãs quando estavam em sua cidade certa vez, perguntaram ao seu irmão se ele tinha alguma irmã que desejava ser freira, ele respondeu que tinha sim. A irmã passou uma noite em sua casa, que ficava num sítio distante 8 km da cidade. Perguntou se Ir. Escolástica queriam ir com ela e, ela decidiu ir. De um dia para outro, sem preparação, sem nada, a mãe correu para costurar umas roupas e uns lençóis na casa da tia. Uma decisão rápida, mas duradoura. Depois da correria, uma jornada para chegar a sua nova casa. Primeiro de sua casa até Barra do Ouro, 8 Km a cavalo, depois até Maquiné de ônibus, até Osório de barco e, finalmente, outro ônibus a levou até Porto Alegre. Sua chegada na comunidade foi marcante. Era sexta-feira Santa, exatamente às 3 horas. Hoje ela recorda o fato, e entre sorrisos diz: “Naquela hora Jesus estava morto, e eu também!”, morria para ressuscitar com ele e viver buscando a eternidade. As irmãs que estavam todas em retiro, vieram ao seu encontro e a recepcionaram com muita alegria. Em menos de dois anos fez a Primeira Profissão, em São Paulo, vestida de noiva, como era acontecia tradicionalmente, numa celebração festiva.

Sente que o que a sustentou todos esses anos foi sentir o carinho de Deus e a devoção a Nossa Senhora, que é uma grande força para a sua vocação.

"O amor de Javé existe desde sempre, e para sempre existirá para aqueles que o temem." 
(Sl 103, 17)

quarta-feira, 23 de março de 2011

60 anos de fidelidade

Pe. Alberione nos diz que "Maria é a mãe da nossa vocação. É a mãe sempre invocada. É a Rainha de todos os apóstolos". E, realmente foi Maria a mãe e guia da vocação da Ir. Bernadete Castro que celebrou também o Jubileu de diamante. 

Ir. Bernadete

Ela é natural de Jacarezinho, no Paraná. Entrou na congregação com 14 anos. Contou-nos que desde os seis anos de idade, mais ou menos, tinha uma devoção especial a Nossa Senhora e sempre dizia que queria ser irmã. Sua família era assinante da Revista Família Cristã e certa vez quando as irmãs foram renovar a assinatura, lhe disseram na varanda de sua casa: “Essa menina vai ser freira. Você quer ser freira?”, ela respondeu rapidamente: “Eu quero”.  Mas quando foi pedir ao pai, ele não autorizou. Mesmo permanecendo em casa tinha um verdadeiro fervor pelas coisas de sua comunidade paroquial. Até queria ir para as missões.

Ela também passou por muitos sofrimentos, pois perdeu sua mãe bem cedo. Mas, a sua irmã mais velha, que cuidava dela e dos irmãos menores a incentivava na vocação. Então, quando outra vez as irmãs voltaram para renovar a assinatura da Revista Família Cristã, ela já tinha 14 anos, então, finalmente, veio com elas decidida. Deixou o pai em lágrimas, mas veio com a certeza da vocação.
Hoje, ela sente-se muito feliz, encontrada consigo mesma. Seus pilares de sustentação na vida são: a Bíblia e Maria. 

Agradecemos ao Deus da vida pela vocação da Ir. Bernadete e por ser fiel nela nesses 60 anos!

terça-feira, 22 de março de 2011

Águas da terra

Água nossa de cada dia, 
doce e salgada, verde e azul.
Preciosa, límpida, a saciar nossa sede.
Em gotas coloridas, compõe
a melodia da abençoada chuva.


Água pura e essencial à vida, 
espelho cintilante dos riachos subterrâneos.
Milagrosa energia que flui
em grutas e mananciais sagrados.
Assanhada pelos ventos do imenso oceano, 
onde os peixes borbulham
e as gaivotas sobrevoam em perfeita sincronia.



Água viva substancial as criaturas:
folhas, flores, frutos, plantas.
Nas nascentes de Deus, 
jorra abundante, potável, 
purificada, graciosa, 
com cheiro de natureza.


Água nossa, pura, viva;
fonte de vida do Planeta Terra.
Seja louvada!
Seja preservada!
Maior essência para infinitos dias!

(Luizinho Bastos
Do livro: Ecos Ecológicos - Paulinas Editora, 2007)

Dia Mundial da Água

Comemoramos hoje o Dia Mundial da Água, data estabelecida pela ONU em 1993. 
"A água faz parte do patrimônio do planeta. Cada continente, cada povo, cada nação, cada região, cada cidade, cada cidadão é plenamente responsável aos olhos de todos." Esse alerta, contido no artigo 1º da Declaração Universal dos Direitos da Água, é um desafio para toda a humanidade. 


De toda a água existente no planeta, 97,5% é salgada, encontrada nos oceanos e mares, 2,493% é doce, de difícil acesso, porque essa água doce forma as geleiras inacessíveis e está armazenada nos lençóis subterrâneos, rios e lagos. Somente 0,007% da água doce é de fácil acesso; o atual estoque mundial de água potável é de 12,5 km³. O Brasil detém 8% de toda água doce superficial do planeta; a maior parte, cerca de 80%, está localizada na região amazônica. Os 20% restantes se distribuem de forma desigual pelo país, atendendo a 95% da população. 


A água é um recurso natural importantíssimo para todos, sem o qual seria impossível a vida do ser humano, dos animais e das plantas. Portanto, precisamos nos conscientizar, mudar nossas mentalidades e hábitos para o uso responsável e econômico da água para que ela não venha a nos faltar. 

(Fonte: Datas Comemorativas, cívicas e históricas - Paulinas Editora, 2008)

segunda-feira, 21 de março de 2011

60 anos de fidelidade

Vamos conhecer a história vocacional de Ir. Ângela Moretti. Ela celebra 60 anos de Vida Religiosa Paulina. É natural de Cerquilho-SP e entrou na congregação aos 17 anos.

MINHA VOCAÇÃO


Eu sempre escutei em casa minha mãe falar sobre a vida religiosa, sobre o que era ser freira. Eu achava bonito e quando tinha uns 7 anos até brincava, colocando panos na cabeça, imaginando que estava na Igreja. Meu tio contou-me um fato depois que eu já era irmã, do qual não me recordava mais. Certa vez, quando eu tinha 9 anos, ele me perguntou ao ver-me com o terço nas mãos: "Por que você está rezando o terço?", e eu respondi: "Porque eu quero ser freira!".

Fui crescendo, fiz a Primeira Eucaristia. As Irmãs Paulinas estiveram em minha casa a primeira vez eu tinha 13 anos. Era a Ir. Marcelina e a Ir. Brigida, que visitavam a cidade e souberam que lá no sítio, onde eu morava, tinha uma familia de muitas moças, e disseram-lhes que alguma poderia querer ser freira. Eu, porém, não estava em casa e, ao retornar minha mãe contou-me que elas haviam passado por lá e incentivou-me a ir na cidade a noite para encontra-las. Eu fui com uma colega e depois da reza do terço, conversei com a Ir. Marcelina. Ela queria que eu fosse com ela mas, quando falou com meu Pai ele não autorizou, por que me achava muito nova. Eu então, decidi que não ia mais pensar nisso. Tive outras experiências de sentir a vocação mas, temia ao pensar em deixar minha família e esse desejo em mim foi ficando esquecido.
Até que certa vez, teve uma romaria à Aparecida do Norte, promovida pela Associassão Filhas de Maria. Eu fui e me disseram que eu deveria para pedir vocações, mas eu não queria, fui sim, mas com a intenção de pedir a cura do meu pai que estava doente e desenganado pelos médicos. Quando lá cheguei, disse a Mãe Aparecida: “Ó mãezinha do céu, mamãe falou para eu pedir vocações, mas eu não quero mais, só se Jesus quer, mas eu vim pedir a cura do papai”. O papai ficou curado e foi realmente um milagre. Após essa experiência eu rezava todo dia a Nossa Senhora três Ave-Maria para que eu fosse aquilo que Jesus queria que eu fosse.

Um dia, brincando com minhas colegas, disse a elas: vamos ser freiras?. Elas disseram que queriam e eu disse que queria ser Paulina. Desde que as irmãs foram em casa a primeira vez, a minha mãe assinou a Revista Família Cristã e eu gostava muito de ler. Decidido isso, falei com os padres da minha comunidade, que comunicaram-se com a Ir. Dolores Baldi. Ela mandou-me uma cartinha dizendo que uma irmã ia passar lá para me buscar. E realmente foram a Ir. Teresa Quaino e a Ir. Maria Dolores, minha co-noviça que era postulante na época. Para deixar minha família foi um sofrimento grande. Mas, Deus foi a fortaleza maior, ele venceu. 

MEU SUSTENTO

Essas passagens me sustentaram em muitas fazes de minha vida: 

“Tornei-me tudo para todos” (I Cor 9,22), nada vou neguei para Ele, pois Ele é a minha força.
“Tudo posso naquele que me fortalece” (Fil 4, 13)
“Eu vivo, mas já não sou eu que vivo, pois é Cristo que vive em mim. E esta vida que agora vivo, eu a vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e se entregou por mim." (Gal 2, 20)

Maior alegria para mim é a vivência de Cristo, que é Caminho, Verdade e Vida, ver a expansão da Família Paulina e o bem que a gente pode fazer unidos, em comunhão. 

Ir. Ângela Moretti
60 anos de Vida Religiosa Paulina


"Na vida das boas vocações entra Maria, que escolhe as belas flores do jardim da Igreja e as leva a Jesus"
(Pe. Tiago Alberione)

domingo, 20 de março de 2011


A verdadeira comunicação se faz em rede!
Também naquela rede onde descansa o ribeirinho,
amante da natureza, aprendiz dos passarinhos.

Caminhos percorridos pelas águas dos rios,
mensagens chegam no silêncio, devagarzinho.
No silêncio, todas as coisas fazem sentido.


Vida repleta de cores: o azul do céu, o vermelho do sol,
o verde da mata.
Imagens que não cansam, pois ensinam, a quem olha,
a presença de Deus, em tudo.

Para cada dia, o alimento,
para cada ser, o respeito,
para cada som, uma comunicação.

Conexão humana e ecológica; sonhadora, mas verdadeira.
Utopia? Não! Desejo de outro mundo possível.
Antenas captam o sinal...



Na aldeia ou na cidade, na maloca ou em qualquer lugar,
Não há limites para o acesso, que está também dentro de nós,
desde que o desejo seja pleno, cósmico, universal.

Nayá Fernandes de Sousa, fsp

Irmãs Paulinas na Angola!

Continuamos com a entrevista da Ir. Catarina Boff. Nessa parte, ela relembra, com alegria o bem que a missão Paulina fez a muitas pessoas ao chegar na Angola.




Não perca, no próximo domingo, Ir. Catarina se despede e deixa uma mensagem bonita as jovens Paulinas africanas, por quem reza e oferece a vida. Mensagem que também iluminará a você jovem que pensa em seguir Jesus Cristo na Vida Paulina. 

sábado, 19 de março de 2011

60 anos de fidelidade

Na festa de São José, tradicionalmente, muitas Irmãs Paulinas consagravam suas vidas a Deus, fazendo a Primeira Profissão Religiosa. O Pe. Tiago Alberione tinha uma devoção especial por São José, como confirmam suas palavras: "A São José peçamos que nos alcance a vida interior, nossa santificação no silêncio, na intimidade com Jesus e Maria, nos deveres do dia a dia e na vivência das virtudes individuais e domésticas. Peçamos-lhe também o espírito do apostolado, a cooperação com a obra de Jesus Cristo e da Igreja, para a salvação do mundo". 
Com certeza, São José, homem justo e fiel a Deus, foi um modelo inspirador para aquelas jovens que consagravam suas vidas em seu dia festivo. Um exemplo disso é a Ação de Graças que elevamos a Deus hoje, pois, completam 60 anos de Vida Religiosa Paulina um grupo de 14 irmãs: Ir.Ângela Moretti, Ir. Escolástica Perotto, Ir. Gabriela Potrick, Ir. Leonilda Menossi, Ir. Luisa Sônego, Ir. Bernadete Castro, Ir. Maria Nogueira, Ir. Maria Dolores Massaretti, Ir. Maria Inês Mar, Ir. Selestina Dariva e 4 delas, que já estão no céu: Ir. Agostinha Boff, Ir. Maria de Lourdes Belém, Ir. Maria Rosária Sandi e Ir. Teresinha Michels, e com certeza também se unem na comunhão de alegria e gratidão pela fidelidade de Deus em suas vidas. 

Foto do grupo todo

Nós entrevistamos quatro dessas irmãs, que residem na comunidade da Cidade Regina, em São Paulo. Elas nos contam como foi o despertar de sua vocação e como se sentem nesse momento de suas vidas. Nos próximos dias você irá acompanhar o testemunho de nossas irmãs:


Agradecemos ao Senhor a fidelidade de nossas irmãs. 
Agradecemos todo bem que semearam nesses 60 anos de suas vidas, na missão Paulina. 
Agradecemos por todas as pessoas que receberam Jesus por meio de suas mãos, suas palavras, sua atenção, seu testemunho. 
Agradecemos pela força que tiveram para enfrentar as adversidades da vida. 
Agradecemos enfim, pelo Senhor ter concedido a elas um coração generoso, doado e fiel.  

"Sejamos gratas ao Senhor que nos chamou a uma vocação tão bela, que para agradecer não nos bastará esta vida" 
(Ir. Tecla Merlo)


sexta-feira, 18 de março de 2011

Uma certeza da Família Paulina


A foto acima é do sacrário na Casa de Oração, em São Paulo - SP,  das Irmãs Paulinas. A frase escrita na parede, porém, está gravada em todas as capelas da Família Paulina.
Essa frase: "Não temam. Eu estou com vocês. Daqui quero iluminar. Vivam em contínua conversão.", é fruto de uma profunda experiência de Pe. Tiago Alberione. Ele tem certeza que as recebeu do Divino Mestre como luz, orientação e graça num momento de dificuldades, quando a Família Paulina estava se desenvolvendo. Foram para ele certeza de ser essa obra querida por Deus. É uma herança espiritual a todos que vivem o carisma Paulino.


quinta-feira, 17 de março de 2011

Experiências de quem viveu em Belém - PA


Uma terra na Amazônia. 
A "metrópole da Amazônia". 
Há quatrocentos anos escreve sua história. 

Em meio a fauna e a flora. Aos rios e as matas.
Um povo de traços fortes, de caráter firme.
Fé e respeito, em múltiplas manifestações religiosas.
À "Mãe de Nazaré", em todo outubro, há mais de 200 anos,
acorre-se a pedir, agradecer, tocar.
A maior procissão católica do mundo. 

Fé, alegria, acolhida, 
encontram os do Sul, do Leste, do Oeste e os de além mar. 
Quem já te viu, não te esqueceu jamais. 
Quem te tocou, te gravou no peito. 
Quem não te conhece, imagina e deseja. 

Belém, da querida "Pátria Amada Idolatrada..."
Belém, nome bendito. 
Belém, onde nasceu a esperança, a fé, o amor!

Nessa terra, as Irmãs Paulinas estão presentes há 26 anos. Comunicando o Evangelho ao povo paraense. Sendo evangelizadas, também, por eles. 
No vídeo abaixo, você confere o testemunho da Ir. Ivonete Kurten e das postulantes Gizele Barbosa e Regina Garreto que viveram em Belém e a trazem no coração.




quarta-feira, 16 de março de 2011

O futuro nas mãos das jovens

Hoje temos uma linda história a partilhar com você, jovem que pensa em seguir a vida religiosa, especialmente na Vida Paulina. Tem gente que reza por você todos os dias e sempre. 
É a Ir. Maris Stella Menegat. Ela tem 66 anos de vida Paulina. Possui um interesse particular por todas as jovens em formação e as vocacionadas. Alegra-se com elas no caminho e as impulsiona na alegria do ser consagrada. Nesse artigo, ela contou-nos um pouco da história da sua vocação e da sua esperança no futuro: 

"Tenho esse apreço pelas jovens por que um dia eu também fui uma menina que não pensou duas vezes ao receber o chamado de Cristo. Em 1945, aos 16 anos, entrei na Congregação. Lembro que minha mãe havia dado à luz um menino havia 15 dias, ainda estava no chamado resguardo pós-parto, e eu ajudava muito nos serviços de casa. Iria fazer muita falta naquele momento. Mas, mesmo assim, eu fui. Um tempo depois do meu ingresso me veio a sensação de que eu não deveria ter abandonado minha mãe naquele estado. Desejei voltar para casa. A irmã Superiora chamou meu pai e ele veio me visitar. Falou que eu poderia seguir minha vocação, se essa fosse a minha vontade e a vontade de Deus, e que eu ficasse tranquila em relação à minha mãe e meus irmãos, por que já havia arrumado quem ajudasse em casa. Naquele tempo, felizmente, as pessoas se ajudavam bastante. 
De qualquer forma, eu já tinha a consciência de que eu não estava fazendo nada muito diferente do que meus irmãos e irmãs faziam ou viriam a fazer mais tarde. Isso porque em Nova Pádua, pequena cidade no interior gaúcho onde morávamos, as famílias eram grandes, e muitos jovens abraçavam a vida religiosa. As notícias que eu tenho é que de lá saíram pelo menos 200 freiras, cinco padres e um bispo. Papa, por enquanto, nenhum. E como meus pais eram muito religiosos, nós, e, casa, exageramos um pouquinho... Dos 11 filhos, todos experimentaram a vida religiosa. Das três mulheres, duas se tornaram Paulinas: eu e minha irmã Assunta Menegat, que hoje trabalha em Curitiba (PR). A terceira, Maria Menegat, também experimentou a vida religiosa, mas deixou a congregação para, carinhosamente, cuidar de nosso pai e de nossa mãe. Dos oito homens, um se tornou irmão lassalista enquanto os demais saíram e constituíram famílias.
Tranquila em relação à saúde de minha mãe, segui mais convicta do que nunca o chamado de Deus. Fui adiante. Em 1949, realizei o sonho de me tornar uma verdadeira Paulina, fazendo minha profissão perpétua. Daquele dia em diante a aceitação de Deus foi total em meu coração. Fui me apaixonando pelo carisma Paulino. Com o tempo fui tomando consciência do que era trabalhar com os meios de comunicação, com os livros, com as revistas, com o rádio, televisão, etc. Trabalhávamos muito como propagandistas, indo de casa em casa, levando a Palavra de Deus em livros e revistas. Durante seis anos, no Paraná e no Rio Grande do Sul, visitamos o maior número possível de famílias. Tinha facilidade em me comunicar com as pessoas e fazia esse apostolado com alegria. Possuía uma verdadeira paixão em trabalhar com o povo.


Ir. Maris Stella entre as jovens Postulantes e Noviças Paulinas

Se, como antes, não é possível fazer hoje o trabalho de visitar as famílias, principalmente nas grandes cidades, vemos com satisfação que a profecia do nosso fundador, o Pe. Tiago Alberione, está se cumprindo: os meios de comunicação estão levando a Palavra de Deus, a evangelização, até os confins da Terra. Portanto, nossa missão de evangelizar através dos meios de comunicação é maior a cada dia. Porque ela é do tamanho do universo que se expande. A cada nova pessoa que liga a TV, o rádio, o computador ou abre um livro, jornal ou revista, precisamos estar lá. Longe de desanimar, creio que isso deve impulsionar as jovens Paulinas. Esse presente esse futuro estão nas mãos delas. Eu sou uma Filha de São Paulo há 66 anos, mas se eu tivesse uma outra vida inteira pela frente essa ainda seria insuficiente para dar minha missão como realizada. Todos os dias agradeço a Deus por ter descoberto essa vocação." 
Ir. Maris Stella Menegat